powered_by.png, 1 kB
INÍCIO seta REFLEXÕES seta A IMPORTÂNCIA DE OUVIR
A IMPORTÂNCIA DE OUVIR PDF Imprimir e-mail
 
É uma honra poder falar com Deus. Não precisamos de um sacerdote, de um santo ou qualquer intermediário. Não precisamos seguir nenhum ritual determinado. Não temos que esperar por uma consulta. Em qualquer lugar, a qualquer hora, em qualquer circunstância, "Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna" (Hebreus 4:16).

É estranho, no entanto, que quase todo o tempo pensamos na oração como o falar com Deus, e raramente paramos para deflectir se Deus gostaria de falar connosco. Estudando sobre oração, e orando, senti Deus dizendo: "Se desfrutamos de um relacionamento, porque é somente você quem fala? Deixe-me introduzir uma palavrinha de vez em quando!".

Deus quer falar
Como Deus fala connosco? Um dos meios é por intermédio de sua Palavra. À medida em que lemos e meditamos sobre ela, Deus a aplica em nossa vida. Um versículo conhecido salta da página bem quando precisamos dele. Parece assumir um novo significado para se encaixar em nossa situação. O versículo não mudou. Sempre fez parte da Palavra de Deus, mas nos é dado pelo Espírito Santo quando mais nos servirá de auxílio.

Outro meio pelo qual Deus fala é por intermédio de pessoas. "Vou suprir suas necessidades", diz Ele, quando um vizinho aparece com um prato que não tivemos tempo de preparar ou dinheiro para comprar. "Eu me importo com você", Deus comunica, usando os braços de um amigo que compreende nossa dor e tenta nos consolar. "Vou orientá-lo", Ele propõe, por meio de um conselheiro que nos mostra o caminho que Deus escolheu para nós.

O terceiro meio que Deus usa para falar é por intermédio da orientação directa do Espírito Santo. A terceira pessoa da Trindade está pronta, desejosa e apta a se comunicar connosco. Segundo as Escrituras, Ele orienta, repreende, sustenta, conforta e convence os seguidores de Cristo.

Muitos cristãos, no entanto, não esperam que Deus fale com eles. Por suas atitudes somos levados a imaginar que Jesus fez as malas, voltou para o céu quarenta dias depois da ressurreição e, desde então, não se soube mais dele. Embora esta seja uma atitude comum, ela não se encaixa na figura de Deus que nos é transmitida pelas Escrituras.

Deus falou a Israel
A Bíblia está repleta de relatos, contando como e quando Deus falou directa e pessoalmente a seus filhos. Deus andou pelo jardim do Éden  e parou para falar com Adão e Eva (Génesis 3:8). Ele falava constantemente com Abraão, chamando-o de um lugar, levando-o para outro e prometendo fazer dele uma grande nação. Deus falou com Moisés por meio da sarça ardente, no topo do monte Sinai e todas as vezes que ele precisou de conselho para conduzir os filhos de Israel à Terra Prometida. Ele deu orientação militar a Josué para capacitar os israelitas a vencer os ferozes cananitas. Deus falou com Davi sobre o governo de Israel e a respeito de seus pecados e lutas pessoais. Na verdade, por todo o Antigo Testamento Deus falou, seu povo ouviu ou preferiu ignorar suas palavras. O mesmo padrão se repete no Novo Testamento.

Deus falou à Igreja Primitiva
Deus falou a Saulo, o perseguidor, por meio de uma luz brilhante no caminho de Damasco. Depois guiou Paulo, o apóstolo, nas viagens que fez pelo império romano, pregando o Evangelho. Falou, mais tarde, com o apóstolo Pedro por intermédio de uma visão, para que levasse a comunidade cristã à casa dos gentios. Deus falou com o apóstolo João durante seu exílio em uma ilha abandonada, mostrando-lhe seus desígnios na história da humanidade. Ele orientou, por meio do Espírito Santo, a todos os membros da Igreja Primitiva quanto à escolha de líderes, provisão das necessidades uns dos outros e pregação das Boas Novas de Jesus Cristo por onde quer que fossem.

Jesus prometeu que o Espírito Santo estaria para sempre com a Igreja: "E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade... Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros" (João 14:16-18).

Não faz sentido acreditar que Deus perdeu a voz no final do primeiro século. Se a essência do cristianismo é um relacionamento pessoal entre o Deus Todo-Poderoso e cada ser humano, é lógico que Ele fale com os cristãos ainda hoje. Não se pode construir um relacionamento de mão única. É necessário um contacto frequente, contínuo e íntimo entre duas pessoas, no qual ambas falam e escutam.

Uma conversa de mão dupla entre o ser humano mortal e o Deus infinito só poderia ser sobrenatural. O que há de tão surpreendente nisto? A vida cristã tem uma dimensão sobrenatural. Como diz o apóstolo Paulo em 2 Coríntios 5:7 "visto que andamos por fé e não pelo que vemos."

Ouvir Deus nos falar por meio do Espírito Santo não é apenas normal, é essencial. Paulo escreveu: "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele" (Romanos 8.9). Ele orientou os cristãos para que vivessem no Espírito, fossem orientados pelo Espírito e andassem com o Espírito (Gálatas 5).

Quando uma pessoa entrega a vida a Cristo, tudo passa a ser diferente. A vida não mais consiste, apenas, no que pode ser visto, percebido, sentido ou imaginado pela lógica humana. Soma-se a tudo isto o andar pela fé, que significa abrir-se a si mesmo para o miraculoso ministério do Espírito Santo.

JLO via Bill Hybels
 
© 2007 Igreja Evangélica em Algeriz